domingo, 30 de Maio de 2010

writing reviews on one annotated bibliography and one learning object published by colleagues

Processos Pedagógicos em Elearning
Unit 3: Act 3 - Review of AB & LO

Review on one Learning Object 

Manuel Pimentel presents this Learning Object



I appreciated this LO message, which is clear and well structured.
However the use of the tool Go-Animate seems to put some issues regarding the speed of the speech balloons, sometimes it is hard to read the text. On the other hand I think the number of words that appear in balloons should  be shorter, it would be easier to read.
Another characteristic that I don't appreciate in the tool Go-Animate is the background music, that I believe can distract the reader of the text.
Manuel, congratulations for your good presentation, I really feel that we can learn about transparency in online education from your LO.

Review on one Annotated Bibliography

On unit 1, I chose Ana Marmeleira’s Annotated Bibliography because Ana's work completes my work.
On unit 2, I choose again her AB. If we join the Ana's AB to my AB, as they have different content and style we can achieve a better AB.
On unit 3, I've been waiting for colleagues who have not yet published their AB. However I feel that I should not delay more, so I will review again Ana Marmeleira AB.

Ana AB included four relevant resources and some personal reflections. Has two references that I does not refer in my annotated bibliography and that I think are very interesting:

Para uma Pedagogia do eLearning: o ‘contrato’ como instrumento mediador da aprendizagem, by Lina Morgado; Alda Pereira; Luísa Lebres Aires; António Quintas Mendes (Centro de Estudos em Educação & Inovação – Universidade Aberta) http://medeia.org/files/Pedagogia_eLearning.pdf 
Transparency in online courses can be achieved by an important tool that all of us know well by now – the learning contract. In this article we can find an explanation of how the learning contracts are used in Universidade Aberta as well as its importance to make online learning more transparent.

Moving a Large Course Online: Psychology, posted by Robert Griffiths, shared by Ellen Furlong and Melissa Beers from the Psychology Department of the Ohio State University
"We would encourage instructors interested in teaching online to pay special attention to making structure transparent to students when converting a classroom-based course into an online format." It’s a good example of the importance of transparency in online courses.

Suggestions for improvement. Ana show us a traditional Annotated Bibliography, World Wide Web allow us to create documents containing pictures and videos, so I suggest that Ana include some of these items in her AB. She can also consider to embed some of the good Learning Objects created by our MPeL3 colleagues.

More reviews that involves possible judgement of the works made and that I consider as private matter will be send, in Portuguese language, to the colleagues by private email.

sábado, 29 de Maio de 2010

Mixdink

Mixedink Permite a um grupo criar/misturar diversas versões de um texto colaborativo, criando rankings de ideias com vista à escolha/elaboração da versão definitiva.


MixedInk Demo from MixedInk on Vimeo.

sexta-feira, 28 de Maio de 2010

One Question Interview -Cooperative Freedom - Libertad Cooperativa

(This image is a wordle of text below)

In Unit 1 – Cooperative Freedom -, for the 4th activity, Professor Morten Flate Paulsen suggested we should do a one-question-interview to an expert in e-learning. António Pedro, Ana Maria Marmeleira e Margarida Marmeleira created their individual questions, and decided to present them to experts from Portugal, Spain and France, because we thought it was important to know different opinions. While we were waiting for their answers, we decided to contact as well Terry Anderson, from Canada. However, in order to avoid Terry to receive many solicitations, we decided to publish our questions in the course forum and ask if anyone wanted do join us. Manuel Pimentel e Paula Silva joined us: Manuel’s question was the same than António Pedro’s, Paula’s was different but complementary. Professor Morten Paulsen advised us not to ask too many questions to the same expert, so we joined all the ideas and fused them into three questions: the first question for António Pedro e Manuel Pimentel; the second question for Ana Maria Marmeleira e Paula Silva; and the third question for Margarida Marmeleira.
Terry Anderson, answered us promptly and his answers were posted in the course forum as the performance of the task. Shortly after, José Lozano Galera, from Spain, kindly and promptly answered us. Furthermore, he suggested another expert - Javier Martínez Aldanondo, from Chile, and sent him our questions. This expert was also very cooperative and answered us promptly.
We decided now to publish in our blogs all these answers, taking the occasion to thank publicly Terry Anderson, José Lozano Galera and Javier Martínez Aldanondo. In our final work, we will compare all these points of view. 

Obs: We used English to interview Terry Anderson, and Spanish to interview José Lozano Galera and Javier Martínez Aldanondo, so we are publishing their answers in the original version. 

Learn more about:
  
  
1) (In English) Most e-learning courses have an opening and ending date, equal to all students. Therefore, can we effectively talk about freedom of pace and time in that situation?

(In spanish) La mayoría de los cursos e-learning tiene una fecha de apertura y fecha de finalización, el mismo para todos los estudiantes. ¿Por lo tanto, realmente podemos hablar de libertad de ritmo en esta situación? 

Terry Anderson: Athabasca University, unlike most Open universities offers continuous enrolment. We find this maximizes student freedom, but also results in lower completion rates than we would like. Sometimes students can not handle the freedom afforded by self pacing- especially since they have so little practice at lower educational levels. So it is question of freedom to choose - more or less freedom and only individual students can answer this. I like options and alternatives. 

José Lozano Galera: La libertad de aprendizaje es básica en el e-learning. Muchos Centros de formación, Universidades, cursos on line siguen imitando los procesos de la formación presencial: desde la matrícula, al grupo o clase, las fechas del curso, métodos, etc. En e-learning es el estudiante el centro y motor de su propio aprendizaje por eso que la libertad en los momentos para aprender es fundamental y muy importante para la evolución de los sistemas de e-learning en todo el mundo. Pero también es clave la armonización de todos los procesos y las fechas de un curso: inicio y fin, permiten a la administración académica la organización de su Escuela, Universidad o centro de formación. Todavía queda mucho por hacer para encontrar el mejor modelo en cada situación donde sea posible dar la máxima libertad de aprendizaje al alumno compatible con la correcta organización de un centro o empresa de formación on line.

Javier Martínez Aldanondo: La mayoría de los cursos e-learning tiene una fecha de apertura y fecha de finalización, el mismo para todos los estudiantes. ¿Por lo tanto, realmente podemos hablar de libertad de ritmo en esta situación? La educación en general (no solo virtual, también la presencial), tal y como se entiende tradicionalmente tiene algunas “características” que existen porque tratan de hacer manejable el sistema, no porque sea lo mejor para que las personas aprendan. Por ejemplo, la educación media dura 12 años, la universitaria duraba 5 (Bolonia lo lleva a 4), las clases en la escuela duran entre 45 minutos y 1 hora cada una, los niños se separan por edades (en algunos colegios también por sexos) y avanzan juntos y al mismo ritmo aprendiendo lo mismo, la forma de verificar que aprenden es un examen escrito o tipo test (el mismo para todos), el curriculum de lo que deben aprender fue diseñado hace muchos años y no refleja lo que las personas necesitarán cuando salgan a la “vida real”, etc. En ninguno de estos procesos, el alumno tienen libertad alguna para decidir ni proponer nada, no le queda otra alternativa que asumir y obedecer. Es un caso paradigmático donde el cliente, ni influye en el servicio que recibe ni lo puede evaluar. Un curso e-learning es primero que nada un “negocio” que solo se sostiene si los números encajan. Los elementos que se tienen en cuenta para planificar un curso son el número de alumnos, el coste de la infraestructura, el coste del profesor y los materiales, horas de duración, etc. pero de nuevo, nunca se planifica a partir de las preguntas básicas: ¿Cuánto tiempo hace falta para aprender lo que los alumnos deben aprender? ¿Cuál es la mejor manera de aprenderlo? ¿Todos tardarán lo mismo? ¿Cómo puedo verificar que aprendieron? Para que un curso sea rentable para quien lo ve como un negocio, tiene que tener principio y final, independientemente de que sea presencial o e-learning. Un proceso de aprendizaje visto desde un alumno sin embargo es difícil determinar cuándo empieza y sobre todo cuando debe determinar. En general, empieza cuando el alumno quiere aprender y nunca llega a terminar del todo porque el alumno lo que hace es progresar en su nivel de conocimiento y expertise pero siempre tiene margen de mejora si tiene interés en seguir aprendiendo. En la vida, cada persona apenas tenemos limitaciones respecto de los plazos a la hora de aprender y tenemos toda la libertad para avanzar a nuestro ritmo y según nuestro interés hasta donde queramos llegar. La educación (presencial o virtual) sin embargo no se puede permitir tanta flexibilidad y como contraprestación a llevar la educación a toda la población, ha estructurado un sistema rígido que obliga a que el aprendizaje ocurra en un lugar (colegio, aula), liderada por alguien en particular (un profesor), basada en unos contenidos prefijados (asignatura), verificados mediante exámenes, … Por lo tanto, curso y libertad son casi conceptos antagónicos cuando aprendizaje natural y libertad son casi sinónimos.
  
2)  (In English) According to Paulsen’s Cooperative Freedom Theory, there’s a balance between cooperation and freedom. However, having work group activities isn’t a limitation of individual learning pace? How you do personally, or the institutions you are familiar with, deal with the pedagogical challenge of providing online education that combines individual freedom with meaningful cooperation? (Only to Terry Anderson)

(In spanish) De acuerdo con la Teoría de la Libertad Cooperativa  de Paulsen, hay un equilibrio entre la cooperación y la libertad. ¿Sin embargo, la existencia de actividades de trabajo en grupo no es una limitación en el ritmo de aprendizaje individual? 

Terry Anderson: I am struggling to convince our University that self pacing does not necessarily mean independent study. I think we should and can offer opportunities for cooperation, but this is challenging with self pacing. However I think new social software and web 2.0 tools make this more possible. We are trying to build optional activities and allow students to see and contribute artifacts of learning to ongoing user generated resources such as links, wikis, blog posts etc . 

José Lozano Galera: Aprender siempre es algo individual: aprendo yo de lo que hago, escucho, leo, estudio, pero el modo de hacerlo normalmente es en grupo porque el ser humano es social por naturaleza: aprendemos de todo lo que nos rodea, de nuestros padres, profesores, amigos, compañeros, en múltiples circunstancias y momentos. Siempre estamos aprendiendo desde que nacemos hasta que morimos. Las actividades de aprendizaje en entornos virtuales pueden ser individuales , en grupo o mixtas. Lo importante siempre es encontrar el mejor modelo para que el estudiante aprenda y si una actividad de aprendizaje en grupo limita la libertad del alumno no puede ser buena. 

Javier Martínez Aldanondo: De acuerdo con la Teoría de la Cooperativa Libertad de Paulsen, hay un equilibrio entre la cooperación y la libertad. ¿Sin embargo, la existencia de actividades de trabajo en grupo no es una limitación en el ritmo de aprendizaje individual? No conozco la teoría que mencionas y por tanto, determinar cuál es el equilibrio entre cooperación y libertad no creo que sea algo fácil de decidir ni imagino que sea posible decidirlo por igual para todas las personas. En mi opinión, no es posible obligar a nadie a aprender si este no quiere. Si no le interesa, puede simular que aprende pero en realidad, solo el “alumno” determina cuando quiere empezar a aprender. Ahora bien, si quieres aprender algo, significa que reconoces 3 cosas: 1. Que hay algo que te interesa, 2. Que no sabes y por tanto estás dispuesto a aprender como medio para obtener eso que te interesa y 3. Que hay alguien que si sabe lo que tu no sabes (experto) y por tanto le reconoces ese saber y estás dispuesto a aprender de él. Eso significa que si estás dispuesto a someterte a ese proceso de aprendizaje, entonces estás dispuesto a asumir que el proceso que ha diseñado ese experto es adecuado y estás de acuerdo en seguirlo. Obviamente eso impone una restricción a tu libertad (no puedes hacer cualquier cosa que se te ocurra ya que el experto ha diseñado el flujo de actividades que hay que seguir para aprender lo que quieres aprender). Y en ese flujo, es perfectamente natural que se determine que determinados elementos es mejor aprenderlos individualmente y otros es mejor hacerlo en grupo. No hay que olvidar que el proceso de aprendizaje es personal (nadie lo puede hacer por ti) pero no únicamente individual (aprendemos de otros y con otros). Otra cosa es que en la realidad pasan 2 cosas:
1. La mayor parte de la gente que diseña programas de aprendizaje, a pesar de ser expertos en sus ámbitos, no son expertos en aprendizaje y por tanto imitan el proceso que siempre han conocido: preparar contenidos y contárselos (o mostrárselos en un ordenador) a sus alumnos. Y el problema es que las personas no aprendemos escuchando o leyendo sino haciendo.
2. Existe mucha confusión respecto del tema de los estilos de aprendizaje. Desde mi punto de vista, todos aprendemos igual: haciendo. Lo que ocurre es que para ello, usamos estilos distintos. Por ejemplo, hay quien prefiere primero investigar y leer, hay quien sin embargo prefiere lanzarse a la piscina y probar, hay quien prefiere ver primero como lo hace otro, hay quien prefiere hacerlo pero paso a paso y guiado de la mano por un experto …. Un buen programa lo que tiene que hacer es, reconociendo que para aprender hay que practicar, proveer caminos para que el alumno tenga la posibilidad de escoger la forma que mejor le acomoda y por donde quiere empezar y como quiere progresar.
  
3)  (In English) In an article of yours, you talk about a seven dimension of freedom – the freedom of relationship. Do you think that the fact that some e-learning courses demand for their students to work in group is a limitation for the students freedom?

(In spanish) En un artículo, Terry Anderson habla sobre una séptima dimensión de la libertad - la libertad de relación. ¿Cree usted que algunos cursos de aprendizaje electrónico que requieren sus estudiantes para trabajar en grupos es una limitación a la libertad de los estudiantes? 

Terry Anderson: Again it is a limitation, but some people need and want the freedom to create learning relationships with others- we are social beings, so I don't like systems that are so hung up on freedom, that they do not allow cooperation and learning relationships to be formed.
I see three generations of Distance education pedagogy. The first based on behavioral/cognitive designs and focused on independent learning and delivered by books and one way mass media. The second based on constructivism with paced online learning groups using both synchronous and asynchronous technologies. And an emerging 3rd generation based on networks and connectivist designs. These allow, but do not require that relationships be formed with current and past students studying the same materials. You might want to read works by Jon Dron and myself on the difference between second generation groups and 3rd generation networks. 

José Lozano Galera: El aprendizaje en grupo no puede limitar la libertad individual porque una persona aprende cuando y donde quiere, por tanto si no quiere aprender en grupo no lo hará y si quiere aprender en grupo buscará el mejor momento y modo para hacerlo: bien en una clase presencial, bien en un entorno virtual o estudiando solo. Hasta los monjes ermitaños se agruparon para compartir, vivir, rezar juntos y aprender siempre. Es compatible la soledad con el aprendizaje con los otros. Si el conocimiento sólo estuviera disponible para procesos individuales la humanidad no avanzaría tan rápidamente. Por tanto el sistema no puede coartar la libertad individual que tiene todo ser humano para aprender de modo individual o en grupo. Siempre lo más importante no es el entorno o el modo de aprender, sino que realmente aprendamos del modo más fácil y mejor para cada persona. El e-learning no ha venido a sustituir la formación presencial, sino a aportar más libertad para aprender a cada persona. 

Javier Martínez Aldanondo: En un artículo, Terry Anderson habla sobre una séptima dimensión de la libertad - la libertad de relación. ¿Cree usted que algunos cursos de aprendizaje electrónico que requieren sus estudiantes para trabajar en grupos es una limitación a la libertad de los estudiantes? Creo que la libertad individual siempre limitaciones en la vida, no solo en los cursos. El hombre es un ser social, necesita de otros para vivir (el bebe necesita de su madre y de su familia o en caso contrario moriría), para trabajar (nadie trabaja solo, tiene compañeros de trabajo y al menos tiene clientes que influyen en su libertad), para vivir (habitas una sociedad que te reconoce ámbitos de libertad y también restricciones de la misma) y por supuesto necesitas de otros para aprender (hay algunos casos interesantes de seres humanos que crecieron aislados de todo contacto con otros semejantes, por ejemplo se criaron entre lobos y que no aprendieron a caminar, lo hacían sobre 4 patas, ni a hablar, solo emitían gruñidos, y no pudieron hacerlo). Todo proceso es siempre una limitación porque te dice qué debes hacer y desde ese punto de vista, te limita en lo que tu consideras coherente hacer o no. Si por ejemplo estás aprendiendo a jugar a baloncesto o a futbol, no basta con que aprendas técnica individual ni desarrolles tu condición física porque cuando juegues un partido, lo harás con otros y siguiendo unos comportamientos grupales que debes aprender y para ello, necesitas aprenderlos con el resto del grupo. En mi opinión, el problema en el aprendizaje virtual no es que haya que trabajar en grupo per se, sino que la mayor parte de las veces, ese trabajo en grupo consiste en un mero intercambio de opiniones por distintas vías (mail, foro, blog, twitter, etc.) que siendo interesantes y enriquecedoras intelectualmente, no habilitan al alumno a hacer nada directamente porque el alumno lee y escribe pero no practica. Por tanto, hasta que no aplicas y practicas lo que otros dijeron en ese intercambio, no necesariamente estás aprendiendo gran cosa. El problema no es hacer actividades grupales o no, el problema es que la mayor parte de veces están mal diseñadas.

quinta-feira, 27 de Maio de 2010

Especialista comenta os 10 maiores mitos sobre a EAD

Os 10 maiores mitos sobre educação à distância 
estão aqui listados e comentados

Mito 1 - Para aprender é preciso assistir às explicações do professor. Por isso o ensino baseado na web não é eficaz.
Mito 2 - É impossível prender a atenção do aluno em um ambiente virtual de aprendizagem.
Mito 3 - Conteúdos auto-instrutivos contribuem muito pouco para a aprendizagem.
Mito 4 - A Internet é uma ferramenta inacessível à maioria da população.
Mito 5 - Não há como medir os resultados, nem monitorar o treinamento.
Mito 6 - A EAD requer uma infra-estrutura própria e muito cara.
Mito 7 - O ensino a distância é muito impessoal e não considera as características individuais que podem ser ‘percebidas’ pelo professor em uma sala de aula tradicional.
Mito 8 - Apenas adolescentes ficam tanto tempo na web. Os adultos, profissionais e estudantes, não têm esse hábito, sobretudo para aprender.
Mito 9 - Produzir conteúdo para e-learning demanda investimentos superiores.
Mito 10 -O e-learning pode substituir o presencial?

(in http://ead.folhadirigida.com.br/?p=2392 acedido em 2010/05/27) 

Agradeço ao Hugo pela partilha :)

quarta-feira, 26 de Maio de 2010

Professor Morten Flate Paulsen write about PPEL


(nettstudier.blogspot.com, Paulsen, Accessed on May 20, 2010)
This school year, I have lived in the Portuguese coastal town of Cascais, half an hour train ride west of Lisbon. I have an appointment as professor associado at Universidade Aberta and teach the online course Processos Pedagógicos em Elearning as a part of the master program Mestrado em Pedagogia do Elearning. It has in many ways been an exciting and challenging experience and as you will see in this article, I have had great pleasure of embedding a variety of examples of the students' work here...

domingo, 23 de Maio de 2010

Conhece os seus alunos?

A Vision of K-12 Students Today



A Vision of Students Today















Para saber mais veja o Blog Digital Ethnography de Michael Wesch


sábado, 22 de Maio de 2010

Planificação de uma actividade de aprendizagem utilizando dois REA

Na UC MREL foi-nos pedido para proceder à planificação de uma actividade de aprendizagem com base em dois recursos educacionais abertos encontrados através de uma pesquisa na Internet, com a indicação de:
  • os urls onde podem ser encontrados;
  • um conjunto de cinco ou seis critérios que levaram à selecção dos recursos educacionais seleccionados;
  • as adaptações a efectuar no caso de existir necessidade;
  • o modo como seriam usados (articuladamente ou cada um por si) num cenário específico.

Nove passos percorridos e decisões tomadas até à planificação da actividade

[1] Decidi trabalhar com alunos de matemática no ensino secundário.

No programa de matemática para o ensino secundário é pedido aos professores para realizarem cerca de 50% da avaliação com outros componentes para além dos testes clássicos. Uma das componentes da avaliação pode ser um trabalho em grupo envolvendo uma composição matemática, história da matemática, aplicações da matemática à arte, etc. No entanto tenho contactado com vários professores de matemática e constato que muitas escolas, com a desculpa da falta de tempo para cumprir os conteúdos programáticos e com a obsessão por realizar exercícios do tipo dos que saem em exame (por pressão do ranking das escolas), tendem a não cumprir com este tipo de tarefas.  

Com a informatização das escolas e das famílias, está criado o ambiente adequado para que possam ser realizadas algumas actividades com recurso ao elearning no ensino tradicional. Procurei planificar uma actividade que pudesse ir ao encontro deste cenário.

[2] Tentei que a actividade a planificar tivesse em conta uma variedade de competências que os alunos do ensino secundário devem desenvolver nas aulas de matemática. 

[3] Procurei planificar uma actividade de trabalho em grupo que pudesse ser desenvolvida em ambiente de elearning.

[4] Optei pelo tema sucessões e neste por um trabalho que envolvesse a sucessão de Fibonacci e do número de ouro.

[5] Atendendo aos parágrafos anteriores,  defini um conjunto de  objectivos e/ou competências a desenvolver:
  • Conhecer a sucessão de Fibonacci.
  • Adquirir o conceito das sucessões definidas por recorrência.
  • Desenvolver a capacidade de usar a Matemática como instrumento de interpretação e intervenção no real.
  • Desenvolver as capacidades de comunicar, assim como o rigor, o espírito crítico e a criatividade.
  • Promover o aprofundamento de uma cultura científica, técnica e humanística que constitua suporte cognitivo e metodológico tanto para o prosseguimento de estudos como para a inserção na vida activa.
  • Contribuir para uma atitude positiva face à Ciência.
  • Promover a realização pessoal mediante o desenvolvimento de atitudes de autonomia e solidariedade.
  • Contribuir para o desenvolvimento da existência de uma consciência crítica, formando para uma cidadania activa e participativa.

[6] Iniciei a pesquisa de REA que tivessem a ver com a sucessão de Fibonacci e o número de ouro.

Alguns recursos que encontrei disponibilizavam questões a preencher pelos alunos dando feedback aos alunos se a sua resposta estava certa. Mas  este tipo de actividade pode ser obtido com recurso a um CD-ROM, logo sem necessidade de um ambiente de elearning.

A minha inexperiência na aplicação de contextos de elearning com alunos do ensino tradicional e a falta contacto com referências nesta área fizeram-me sentir diversas dúvidas. 

Não encontrei actividades em ambiente exclusivamente elearning para os meus alunos. Por isso, decidi replicar a minha experiência como aluno do mestrado onde utilizei wiki colaborativos apoiados com fóruns de discussão.

A selecção de REA em português foi um desafio, optei pelo RECURSO-1  (ver ponto  9). Encontrei outros REA sobre o mesmo tema em português e inglês mas não não fiquei satisfeito com a qualidade apresentada.
Procurei encontrar um vídeo com licença creative commons relacionado com o tema e apesar de ter encontrado alguns links com essa indicação, quando procurei pelo autor do vídeo original não encontrei essa licença.

[7] O vídeo que seleccionei RECURSO-2 (ver ponto 9) não é em termos estritos e mais conceptuais um REA no sentido em que este não apresenta uma licença do tipo creative commons, no entanto está acessível na Web de forma directa e gratuita. O autor publicou o vídeo no site da Vimeo e no Youtube, ambos os sites permitem o embeber deste vídeo, por exemplo, num blog. O autor responde  no seu site à pergunta: "06. Can we freely use one of your images or animations? I think it would be good publicity for you… etc.?" 

Well it all depends on the medium in which they appear —a magazine, front cover or inside, a poster, a book, the Web, etc— and of the objectives. Clearly, if a publishing company uses one of my images when creating a poster and then sells it; or to create a CD cover – which is also going to be sold --; or an audio-visual producer wants to use one of my works for their own promotional pamphlet...well, I am sorry, but they will have to pay.

But there are cases where I will allow the use of some my images without receiving any payment -- solely in exchange for due credit to the author --, especially if we are dealing with an altruistic, non-commercial actions. For further information, please get in contact with me.

Pelo que, apesar do RECURSO-1 apresentar uma licença Creative Commons com a Atribuição Partilha nos Termos da Mesma Licença  esta não se aplica ao vídeo em questão para o qual será necessário atender aos direitos do autor.


[8] Tendo encontrado os recursos e querendo planificar a actividade, deparei-me com a necessidade de avaliar o trabalho que os alunos irão desenvolver. Por um lado, trata-se de uma actividade em grupo com a maioria do trabalho realizado fora da sala de aula, logo só por si um desafio para encontrar um processo de avaliação aceite por todos os professores, ainda mais num contexto de elearning nos quais os docentes não têm experiência. As propostas de avaliação que indico foram discutidas com alguns alunos e professores.

[9] Selecção dos REA

 RECURSO-1

http://cmup.fc.up.pt/cmup/arte/plasticas/num_ouro/index.html



Razões para a escolha deste recurso:
  • Adequação ao tema das sucessões, permite aos alunos obter informação sobre o número de ouro (muitos mais aprofundadas do que as disponíveis no manual do aluno).
  • Recurso em Português, bem construído e com garantia dos conteúdos.
  • A apresentação gráfica é agradável e de qualidade superior à grande parte dos recursos do género.
  • Utiliza vários exemplos de aplicação do Geogebra (programa de geometria que o professor quer incentivar os alunos a utilizar na resolução de problemas e modelação de soluções).
  • Apresenta em destaque um conjunto de palavras chave que os alunos poderão querer pesquisar para realizar o seu trabalho.
  • O recurso contém uma licença creative commons.
  • O recurso está inserido num site bem conseguido com informação sobre arte e matemática o que pode levar um aluno interessado a querer navegar por essas páginas.

As palavras seguintes foram obtidas no site:

A história de Phi, o número de ouro, perde-se nos confins do tempo. Apesar de ter sido usado no antigo Egipto e na tradição Pitagórica, a primeira definição que se conhece deve-se a Euclides (325-265 AC). O primeiro tratado sobre o assunto, intitulado Divina Proportione, foi escrito por Luca Pacioli (1445-1517), e foi ilustrado por Leonardo Da Vinci a quem, de acordo com a tradição, se deve a designação sectio aurea ou secção de ouro.

Do ponto de vista Matemático a Geometria de Phi é de facto muito interessante (...) Muito se tem escrito sobre a "geometria sagrada" de Phi e dos números de Fibonacci, pretendendo que eles ocorrem quase obsessivamente na natureza, pintura, arquitectura, anatomia, etc.

Este trabalho sobre o número de ouro escrito por João Nuno Tavares em 2010 pode ser obtido também no portal casa das ciências na página http://www.casadasciencias.org/index.php?option=com_docman&task=doc_details&gid=35247537&Itemid=23 segundo uma licença licença Creative Commons com a Atribuição Partilha nos Termos da Mesma Licença designada como by-sa

RECURSO-2

  O vídeo Nature by Numbers realizado por Cristóbal Vila




Razões para a escolha deste recurso:
  • Não é necessário conhecer a teoria das sucessões para apreciar o vídeo.
  • Apresenta de forma agradável alguns aspectos do estudo do número de ouro e da sucessão de Fibonacci, à medida que os alunos forem trabalhando os subtemas do trabalho vão apreciar melhor cada uma das imagens utilizadas no vídeo, assim como as transições entre imagens.
  • O facto de deixar deixar de lado alguns dos subtemas propostos aos alunos e de não aprofundar os outros, deixa espaço para as investigações a realizar (o que não acontece por exemplo com este vídeo Golden Ratio in Plants & MicroWorld onde a explicação é mais detalhada).  
  • Excelente execução técnica com boa sincronização entre o som e a imagem.
  • Os rigor dos objectos desenhados aponta para a utilização da matemática na sua construção.
  • Pode ser utilizado como motivação para a tarefa em que se pede uma selecção de vídeos.  

Os dois recursos podem ser utilizados tal como estão, não sendo necessário sugerir algum tipo de alteração.


Planificação da actividade.

Esta actividade pode ser utilizada com alunos do 11º ano matA, 11ºano matB e 3º ano dos cursos profissionais, no momento em que os alunos estão a estudar o tema das sucessões.

A actividade será realizada pelos alunos em grupos de 3/4 elementos.

Será criado pelo professor um wiki com uma página para cada grupo, e disponibilizado um fórum, por exemplo no http://www.forumeiros.com onde serão criados sub-fóruns com acesso a toda a turma e sub-fóruns privados para cada grupo.

Cada grupo irá desenvolver um subtema num wiki colectivo. São indicados alguns subtemas a título de exemplo, o número de subtemas poderá variar de acordo com o número de alunos da turma, podendo o professor definir novos ou agrupar vários subtemas.

Subtemas previstos:                                                                              
  • Biografia de Fibonacci
  • O que é a sucessão de Fibonacci
  • O que é o número de ouro
  • Relação entre o número de ouro e a sucessão de Fibonacci
  • A proporção divina e as artes da pintura e da arquitectura
  • A proporção divina e as plantas
  • A proporção divina e as insectos
  • A proporção divina e as moluscos
  • A proporção divina e corpo humano
O trabalho proposto aos alunos para além de uma pequena composição ilustrada do subtema proposto deve incluir links para 3/4 vídeos (um por elemento do grupo) onde o seu subtema esteja bem apresentado. No final os alunos devem escolher entre os vídeos propostos pelos seus colegas de grupo aquele que consideram ser mais significativo e indicar as razões da escolha. A discussão sobre a escolha do vídeo será realizada no sub-fórum privado do grupo.

O trabalho será feito fora da aula com excepção de algumas aulas presenciais. Admitindo que alguns alunos não possuem acesso à Internet a partir de casa, deve ser tomado em conta que alguns alunos poderão ter necessidade de trabalhar no centro de recursos da escola.

Calendarização:

O tema sucessões desenvolve-se por algumas semanas pelo que existe tempo para os alunos completarem esta actividade. No entanto é possível iniciar o trabalho mais cedo, antes do inicio do tema das sucessões, uma vez que os recursos escolhidos servem de suporte ao arranque da tarefa.

Fase zero. O professor define os grupos, cria o wiki e o fórum. No wiki o professor coloca as instruções para a actividade  com indicação do calendário previsto e a forma como será efectuada a avaliação.

Para alguns alunos poderá ser o primeiro contacto com o wiki. Relativamente ao fórum a maioria dos alunos já frequentou alguns fóruns, principalmente fóruns de jogos, pelo que o ambiente de um fórum não é desconhecido de todos. Na escolha das equipas o professor poderá deixar pelo menos um entendido em fóruns por cada grupo.

Fase um. Numa aula presencial de 90 minutos, numa sala com computadores ligados à Internet, os alunos tomam contacto com o wiki que já contém as instruções do trabalho.

Nas instruções será indicado aos alunos para verem o vídeo (RECURSO-2)  e para navegarem nas páginas do (RECURSO-1) tomando nota de algumas palavras-chave para realizarem pesquisas.
Os alunos terão de se registar no fórum durante esta aula. O fórum será utilizado para além das tarefas programadas, como ponto de contacto privilegiado entre os alunos e o professor relativamente a este trabalho. Contudo o professor poderá reservar o final de cada aula para conversas particulares com cada um dos grupos (no caso de alguma dúvida que não tenha sido possível esclarecer com o fórum).

Até à fase dois os alunos procuram informação. Cada aluno apresenta um link no sub-fórum privado para um vídeo. Os alunos podem se pretenderem ir compondo a sua página no wiki, mas não podem divulgar os links para os vídeo escolhidos.

Fase dois. Decorrerá cerca de uma semana e meia depois da fase um. Os alunos já discutiram qual o vídeo escolhido pelo grupo e deverão registar no wiki o conjunto dos links indicados por cada aluno.

Fase três. Decorrerá cerca de três semanas depois da fase um. Numa aula de 45 minutos, numa sala com computadores com ligação à Internet, os alunos fazem trabalho de grupo na presença do professor. Esta fase só terá lugar se o professor a considerar necessária.

Fase quatro. Decorre imediatamente após a fase três. Os alunos deverão escrever no fórum aberto à turma comentários sobre os pontos fortes e fracos do trabalho desenvolvido por cada grupo até esse momento.  Embora os comentários estejam abertos a todos os alunos, o professor pedirá aos alunos do grupo-1 para comentarem o trabalho dos colegas do grupo-2 e assim sucessivamente. Os alunos do último grupo deverão comentar o trabalho dos alunos do grupo-1.

Até à fase cinco os alunos podem ir comentando o trabalho uns dos outros e ir melhorando a sua página no wiki.

Fase cinco. Decorre poucos  dias antes do fim da actividade. O professor bloqueia o wiki e os alunos são convidados a classificar cada um dos restantes trabalhos atribuindo 1 ponto ao trabalho que considerem melhor, 2 pontos ao segundo e assim sucessivamente (não deverão atribuir pontos ao seu trabalho), esta classificação será apresentada por cada grupo no seu sub-fórum privado. Paralelamente a esta classificação os alunos deverão atribuir a cada trabalho uma classificação de 1 a 5 pontos. Os alunos procederão também a uma auto-avaliação do trabalho desenvolvido que publicarão no sub-fórum privado.

Fase seis.  Decorre no final da actividade. O professor coloca no fórum aberto à turma a soma dos pontos atribuídos a cada equipa pelos diferentes grupos.

Fase sete. O professor nos sub-fóruns privados deixa a sua avaliação do trabalho de cada grupo.  Esta avaliação terá em conta:
  • qualidade e correcção dos conteúdos;
  • organização da página e efeito visual;
  • relevância dos vídeos escolhidos e fundamentação para a escolha do vídeo seleccionado;
  • avaliação efectuada pela turma na fase cinco;
  • auto-avaliação do grupo;
  • relevância dos comentários e discussões colocados no fórum na fase quatro; a observância das regras de participação numa discussão online;
  • dinâmica e colaboração na equipa
O professor analisará também as contribuições de cada aluno na wiki, nas discussões nos fóruns, as informações recolhidas nas aulas presenciais e nas mini-reuniões do final de aula e por fim conversará individualmente com cada aluno sobre a sua avaliação individual.

Licença Creative Commons This text are licensed under a Creative Commons License
But the image and video have owner legal rights 

domingo, 16 de Maio de 2010

Transparency in Online Education - Learning Object

Processos Pedagógicos em Elearning
Unit 3: Act 2 - Learning Object



In this little story I tried to illustrate the theme "Transparency in Online Education". I tried to use a wide variety of scenarios to communicate that diversity is also important in elearning and that transparency can and should be global.
I also wanted to show the transition of an enclosed school in which most of us learned to open and transparent environment promoted by web 2.0.
I wanted to use tools that are not yet used by other colleagues (As more tools we learn... better for all).
I used Camtasia to make the movie and the acapela.tv for the animated toons.
I felt lot of difficulties due the speed and duration of the toons dialogues.
This object still needs some revisions mainly on the English issues, but also in the script and in the transitions between scenes.

Licença Creative Commons This blog entry and this LO are licensed under a Creative Commons License

quinta-feira, 13 de Maio de 2010

Internet perto do Limite - IPV4 perto dos 4 mil milhões de endereços


O espaço reservado à atribuição de novos endereços de Internet poderá vir a esgotar em menos de 18 meses. O alerta é, desta vez, dado por vários especialistas que avançam o dia 9 de Setembro como a data provável para a disponibilização dos últimos pacotes de endereços pela Internet Assigned Numbers Authority sob o actual protocolo IPv4.
(ler mais no Tek.sapo.pt , publicado no dia 11 de Maio de 2010)
 
Repare nas datas de algumas notícias relacionadas no TeK.sapo.pt


2008-05-27 - Europa quer 25% da Internet suportado em IPV6 até 2010
2007-10-30 - FCCN quer IPv6 implementado na rede de ensino até final de 2008
2003-11-06 - Operadores móveis de redes CDMA testam telemóveis IPv6 da Nokia
2003-02-13 - Grupo de Trabalho para o IPv6 reúne ainda este mês
2002-05-26 - "Jogos online e telemóveis UMTS poderão massificar os endereços IPv6"

Alguns dizem que o IPV4 vai durar ainda mais uns tempos, mas será que estamos a tempo de lançar o IPV6 antes de esgotar o IPV4?

Lista de Blogues de Colegas

Apresento na barra lateral deste blogue hiperligações para os blogues dos colegas do MPeL4 e do MPeL3.  A lista que apresento neste post não está tão completa, mas está ordenada por nome.

Agostinho Kaliki   + Ana Morgado + Alberto Cardoso  + Ana Marmeleira  + António Pedro  + Carlos Moutta Raposo  + Cecília Tomás  + Carla Elias + Denyse Ruckl + Helena Prieto + Emanuel Teixeira + Hugo Domingos + Fernando Faria + Isabel Manteigas + Irene Galrito + Joaquim Lopes + Joaquim Costa Pinto + Jorge Gonçalves Penso + Juliana Antunes + Lauriza Nascimento + Luciana Grof + Marcus Vinicius + Marco Freitas + Maria Leal   + Mª João Sobral + Miguel Lima + Marina Moleirinho + Margarida Marmeleira + Maria João Spilker + Manuel Pimentel + Nelson Nordeste + Nuno Oliveira + Paula Silva + Paulo Ferreira + Rui Amaral + Sandra Joaquim + Telma Jesus + Tercília Assis

No dia 1 de Março de 2010, dia de início do MPel4, tinha publicado um post semelhante: Os blogues são como os tremoços

quarta-feira, 12 de Maio de 2010

Autenticidade e Transparência na Rede

Estas linhas resultam de uma reflexão pessoal que fui elaborando enquanto realizava um debate com três colegas num fórum privado.

Foi-nos proposto pensar nas seguintes questões:

Quem são e como são verdadeiramente esses outros que encontramos na rede? Que são eles por detrás das máscaras que constroem na rede? Que somos nós de nós próprios na rede? Somos ou poderemos ser transparentes? São as imagens que de nós partilhamos autênticas? Que dizem de nós? Tudo? Nada?

Por outro lado, como poderemos assegurar a autenticidade da informação? Pela sua transparência? Quem a valida ou autentica? Quem o poderá fazer? A própria comunidade, a própria rede? Será pela transparência dos processos de partilha? Como e em quem na rede poderemos confiar? Como se poderá garantir a qualidade da informação e como se poderá garantir a idoneidade da utilização dessa informação?

Reflexão

Acreditamos que a Internet não é segura e que apesar de aparentemente ninguém controlar toda a rede, existem tentativas de a controlar, aqui e ali com algum sucesso, principalmente por parte dos governos.

Admitimos que a fraude intelectual acompanhou o homem ao longo dos tempos e aumentou com o advento da Internet, por isso parte da informação contida na Internet não é confiável, quer no conteúdo quer na autoria. A questão da autoria é um dos pontos fulcrais da nossa sociedade, por vezes estamos preocupados em evitar os plágios enquanto noutras queremos evitar ser identificados com determinado comportamento ou acção. Por um lado existem algumas iniciativas para garantir os direitos de autor às quais podemos aderir e  por outro temos o receio que a falta de segurança da Internet não garanta o nosso anonimato.

Temos consciência que é possível criar entidades falsas no mundo físico e que o advento do digital veio facilitar a criação de novas entidades ou em menor escala o publicitar de forma credível algumas características que alguém tem ou pretende simular.

Queremos confiar na outra parte da Internet que pensamos ser confiável e acreditamos que, apesar de algumas tentativas de fraude, existem diferentes identidades que garantem a qualidade da informação nela contida. Acreditamos no poder das redes sociais, no que os amigos dizem sobre nós, para garantir a identidade digital. Por outro lado confiamos na credibilidade de diversas instituições como garantia da autenticidade das informações disponibilizadas.

Preocupamo-nos com a identidade de alguns, logo com a nossa. Procuramos ir ao encontro do que queremos que os outros pensem de nós. Podemos querer ser verdadeiros, mas por mais transparentes que queiramos ser, quando criamos a nossa identidade digital estamos a publicar um simulacro do que realmente somos, pelo que a nossa identidade digital, mesmo que de forma inconsciente, será vista como um campo alternativo da nossa personalidade íntima. Podemos ter identidades digitais, alternativas, que funcionam como nossos heterónimos ou avatares. Mas na medida em que neles projectamos a nossa personalidade pessoal, estamos a dar-lhes personalidade própria e talvez por isso continuemos, aqui e ali, a preferir o anonimato à sua exposição social. 


Debatemos em particular quatro questões
  • Identidade digital - prolongamento da personalidade pessoal ou campo alternativo da nossa personalidade íntima?
  • O perigo da fraude intelectual aumentou com o advento da Internet?
  • Em que medida a rede é segura e em que medida a informação nela partilhada é confiável? Quem o pode garantir?
  • É possível alguma entidade particular ou alguém (e se sim, qual ou quem) controlar a rede?

A colega Cecília elaborou um resumo personalizado das nossas intervenções no debate que deve ler para compreender a nossa reflexão.

Sobre o tema proposto

Mais um tema a manter em mente, durante a discussão surgiram novas questões que podemos debater.

Sobre o trabalho em grupo

Gostei deste grupo de trabalho, penso que as nossas visões completam-se e permitiram ampliar as perspectivas que cada um foi construindo. Deixo ligações para as reflexões dos restantes elementos do grupo.

Reflexão da Cecília, Reflexão da Lauriza (partes I, II, III, IV) , Reflexão do Marco.
 

terça-feira, 11 de Maio de 2010

Open Education and the Future


Este vídeo foi elaborado por David Wiley.
Veja também o blog de Wiley iterating toward openness

Obtive o link para o blog de David Wiley deste artigo Recursos Educacionais Abertos (Open Educational (pdf)  de  Renato Luís de Souza Dutra e Liane Margarida Rockenbach Tarouco  do
Centro Interdisciplinar de Novas Tecnologias da Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

O artigo anterior aponta para este Open Educational Resources: Opportunities and Challenges (pdf)
Jan Hylén ,OECD’s Centre for Educational Research and Innovation, Paris, France

A Wikipédia precisa de si e de todos nós

Decorreu no dia 16 Abril na Exponor o evento Academia Wikipedia 2010
Tive a sorte de ter assistido a uma parte das conferências.





O jornal Expresso publicou (ver aqui) uma reportagem e um vídeo sobre o evento.

Veja também o artigo publicado por Virgílio A. P. Machado no facebook : A Wikipédia precisa de si e de todos nós  
"A Wikipédia em língua portuguesa foi a quinta a ser criada, em Maio de 2001. Com mais de meio milhão de artigos, ocupa, actualmente, o nono lugar, mas já esteve na quinta posição, em número de artigos (...)  O que é intolerável é o clima de medo, opressão e desrespeito que se instalou na Wikipédia em Português. A mudança só pode acontecer quando as qualidades humanas da «comunidade» se alterarem para melhor. Para isso é preciso que o número de editores educados, civilizados e activos seja o maior possível..."

Sabia que existe uma Wikipédia em mirandês? Veja a Biquipédia.

Sabia que pode ter uma versão offline da Wikipédia?  No final da conferência levei comigo uma pen de 2GB com "toda" a wikipédia em português e espanhol. Quando digo toda, quero dizer sem as imagens.

Las cinco razones que cuestionan la validez de Wikipedia


1. Una de las asignaturas pendientes continúa siendo el vandalismo que impregna algunas de las entradas que se suben a esta plataforma.
2. La validación de contenidos a veces no es la más acertada.
3. ¿Mantendrá su rentabilidad?
4. Uso de bots
5. Se basa en un sistema jerárquico.

[ ler + ]  

domingo, 9 de Maio de 2010

Transparency in Online Education / Annotated Bibliography

Unit 3: Activity 1 

 (This image is a wordle of text below)


Transparency in Online Education / Annotated Bibliography


Transparency for Quality

In this presentation the author says that: we can chose betewen transparency or privacy. He argues that transparency improves quality and promotes cooperation, but students shoud be free to choose their individual privacy level.


[3] Transparency in Cooperative Education Online -Christian Dalsgaard and Morten Flate Paulsen, June 2009

The purpose of this article is to discuss the following question: What is the potential of social networking within cooperative online education?
The authors argue that transparency is a unique feature of social networking services. Transparency gives students insight into each other’s actions. Cooperative learning seeks to develop virtual learning environments that allow students to have optimal individual freedom within online learning communities. This article demonstrates how cooperative learning can be supported by transparency. To illustrate this with current examples, the article presents NKI Distance Education’s surveys and experiences with cooperative learning.
This article focus on qualities of social networking  found in services such as weblogs, social networking sites, micro-blogging, and social presence tools. The basic assumption is that transparency is important to cooperative online education. People can cooperate only if they know about each other and have access to some common information and services.

In this article we can find this picture which shows a Transparency Barometer 
(we can also find this picture in a Paulsen article in Seminar.net) 

image


[4] Networks vs. groups in higher education. Anderson, T. (2008) Message posted in the Virtual Canuck blog.

In this blog entry, Terry write about students and network privacy and concludes that "Networks offer increased opportunities for the growth of social capital, for globally relevant distributed learning and for increased involvement and engagement of higher education (...) provide motivation for higher education institutions to move beyond groups."

[5] Teaching as transparent learning by George Siemens (2009) Message posted in the Connectivism  networked and social learning blog.

George Siemens write " iI’ve gained much from being a transparent learner. Over the last nine years – on blogs, wikis, and recently Twitter – I’ve expressed half-formed ideas and received the benefit of constructive (and critical feedback). I generally focus on what I’ve gained, but I suspect readers of my sites and articles have gained something from the experience as well. Putting ideas out for discussion contrasts with formal “reach a conclusion and publish” model.

Watching others learn is an act of learning.
When someone decides to share their thoughts and ideas in a transparent manner, they become a teacher to those who are observing.

The varying cognitive architecture of those who are new to a subject and those with significant experience provides support to the value of peer-to-peer learning. A student who has just started blogging can likely relate better to someone who is still only considering blogging. when we make our learning transparent, we become teachers. Even if we are new to a field and don’t have the confidence to dialogue with experts, we can still provide important learning opportunities to others.


the value of dialogue and discourse in learning can’t be subjugated to the view that all contributions should advance a field. Transparency in expressing our understanding, our frustrations, and our insights helps others who are at a similar stage."

[6] Tranparency in online education  Sónia Valente e Telma Jesus (2010) - mpel3 colleagues
These LO summarize the view of this mpel3 colleagues point off view concerning the Transparency in online education. We can get a quick idea about this topic.  


 [7] Tranparency in cooperative online education José Carlos Figueiredo and Paulo Simões (2010) - mpel3 colleagues.
These LO summarize in enjoyable way one of the benefits of transparency to be able to receive feedback to improve our work and be able to contribute ideas for improving the  others work.


[8] Transparency for Cooperation related [www.seminar.net]
Transparency for Cooperation

Conclusion:

Transparency is fundamental to improving world learning. By sharing we are contributing to a fruitful discussion on the topic. If we receive feedback from others we can improve our work. 
Transparency can also contribute to improving the others work, as they not need to start from zero. They can learn with ours goals, wins and mistakes.
There are Somme issues regarding to transparency level. No one can be forced to be always transparent. Not all people are igual and not all situations are similar.
Students should decide which information each actor (teacher, students, community, world) can see.
Students and tutors have to find a balance between transparency and privacy, regarding that transparency is related to open learning process and more transparency = more cooperative work.
 

Obs: All websites were accessed on May 9, at the time of publication of this post, and the quoted content remained unchanged from the initial readings.